José Saramago: 100 anos do aclamado autor lusitano

José Saramago: 100 anos do aclamado autor lusitano
José Saramago discursando no Banquete Nobel em 10 de Dezembro de 1998. (Foto: Reprodução / Twitter @FJSaramago)

No dia 16 de novembro de 2022, o autor José Saramago alcançaria o marco dos 100 anos de idade, e o mundo literário está em celebração em homenagem a essa personalidade que é referência no meio. Autor de Ensaio sobre a cegueira — seu romance de maior sucesso e prestígio, adaptado também para o audiovisual —, Saramago inspira diversos autores contemporâneos, principalmente os lusófonos.

Quem foi o escritor português, José Saramago?

Nascido na vila de Azinhaga do Ribatejo, localizada no município português Golegã, José de Sousa Saramago teve sua origem em uma família rural humilde. Mais tarde, antes de José completar dois anos de idade, a família se mudou para Lisboa, lugar onde o autor passou boa parte de sua vida.

Por dificuldades econômicas, Saramago não pôde graduar-se em uma universidade, concluindo um curso técnico de serralheria mecânica em 1940. Trabalhava pela manhã no ofício de sua profissão e, no período noturno, visitava a biblioteca municipal, onde sua jornada com os livros começou a tomar forma.

Ao contrário do que muitos pensam, Saramago somente se estabeleceu na carreira de autor aos 58 anos de idade, com a publicação de Levantado do chão em 1980. Ainda que, em 1947, tenha publicado o seu primeiro romance — chamado Terra do Pecado , não obteve a repercussão necessária na mídia e entre os críticos. Antes de todo o reconhecimento que recebeu próximo aos seus 60 anos de idade, o autor havia atuado como tradutor, funcionário público e jornalista, até que um acontecimento mudou o rumo de sua vida profissional.

Da demissão ao Prêmio Nobel

Em meio a um cenário político movimentado em Portugal, Saramago foi demitido do cargo de vice-diretor do jornal Diário de Lisboa em 1975. Com seus 58 anos, José, após receber a notícia, enxergou a possibilidade de investir seu tempo na carreira de autor.

A partir de então, obras como A jangada de pedra (1986) foram publicadas, e em 1995 o autor recebeu o prêmio Camões, o mais notável de obras da língua portuguesa. Três anos depois, em 1998, Saramago teve honraria ainda maior, quando recebeu o Prêmio Nobel de Literatura por sua obra.

A escrita de Saramago

Em fluxos de pensamentos com poucas pontuações para o fôlego, sua escrita baseava-se em contextos históricos e continham reflexões sociais e sua visão política — a qual sempre foi ligado, atuando ativamente em seus ideais. Além de retratar a realidade portuguesa, também incluía elementos fantásticos como alegoria, vistos, inclusive, em Ensaio sobre a cegueira, e brincava com a intertextualidade, como observada no polêmico livro O evangelho segundo Jesus Cristo.

Prêmio Literário José Saramago

Em 1999, o Prêmio Literário José Saramago foi fundado, a fim de condecorar obras de jovens autores que tiveram sua primeira edição publicada em algum país lusófono.

Surgida após José Saramago ganhar o Prêmio Nobel de Literatura, o objetivo da premiação é reconhecer novos expoentes da literatura portuguesa como forma de valorizar a produção literária da língua, já que Saramago influenciou diversos autores e é o responsável por estabelecer romances em português no mercado mundial, sendo um dos grandes romancistas portugueses até a atualidade.

Importantes figuras da nova literatura de língua portuguesa foram contemplados por esse prêmio, como o português Valter Hugo Mãe, em 2007 — considerado o herdeiro de Saramago —, o angolano Ondjaki (2013) e os brasileiros Adriana Lisboa (2003), Andréa del Fuego (2011), Júlian Fuks (2017) e, nesta segunda-feira, 14/11, na edição de 2022, o paulistano Rafael Gallo, com a obra Dor Fantasma, que será publicada no Brasil pela Globo Livros e em Portugal pela Porto Editora, além de ser distribuída nos demais países lusófonos.

O aclamado autor faleceu em 2010, mas deixou obras incríveis, além de influenciar novos autores que manterão o patrimônio da literatura de língua portuguesa viva.