Luiz Felipe Pondé fala sobre o mundo contemporâneo e as relações

Luiz Felipe Pondé fala sobre o mundo contemporâneo e as relações
Luiz Felipe Pondé conversou com Izabella Camargo no terceiro dia de Skeelo Talks (Foto: Reprodução / Instagram @lf_pode)

No terceiro dia de Bienal do Livro, Izabella Camargo recebeu o filósofo Luiz Felipe Pondé no Skeelo Talks para falar sobre a modernidade e as obras do autor, como Uma filosofia politicamente incorreta, publicado pela Globo e disponível em ebook e audiobook no aplicativo do Skeelo e A filosofia e o mundo contemporâneo, publicado pela editora Nacional e disponível em ebook no Skeelo Store.

O bate-papo se inicia abordando as relações no mundo tecnológico de hoje e o autor explica que “Na nossa época a gente mente muito, por uma razão simples: a gente se vende o tempo todo” e acrescenta que sempre existiu diferentes formas de amar, mas cada era enfrentou a questão de acordo com a sua realidade.

Pondé ainda fala que há muita insegurança e olha em retrospecto para a pandemia, analisando que a humanidade nunca saiu melhor de uma situação como essa e afirma que para ele “a área que a gente de fato avançou é a técnica-científica, no entanto a democracia não está bem da pernas”.

Ao comentar sobre a obra A era do ressentimento, também disponível em ebook no aplicativo Skeelo, o ator lembra que durante a escrita em 2014 estava acontecendo a Guerra da Criméia, quando, em seu livro, comentou sobre um possível novo embate entre Rússia e Ucrânia e continuou explicando sobre o ressentimento: “Existe um ressentimento contemporâneo, ligado ao fato de que todo mundo quer ser reconhecido, amado[…] ser super importante”, acrescentando que na verdade “a humanidade caga na sua cabeça”.

Respondendo questionamentos do público, ele esclarece que “Você não vai saber tudo, não vai gostar de tudo e no final do dia você sempre perde a batalha para as redes sociais”, pois segundo o autor há excesso de imediatismo e desejo de sucesso, mas o fracasso é um professor na nossa construção com indivíduo.

Izabella, impressionada com a produção literária de Pondé, pergunta sobre a produtividade e o estudo constante do autor, ao que ele explica que goza de disciplina e que desenvolveu “uma habilidade de ler dez minutos e me concentrar completamente no que estou lendo e continuar depois por duas horas. Isso virou hábito.

Mas o filósofo alerta que é necessário o descanso: “uma das formas de descanso, é que nas horas vagas você não fique tentando ser feliz o tempo inteiro. Não dá para fazer um projeto de ser feliz. Descansar significa nada!

Concluindo o bate-papo, Pondé fala sobre lidar com as expectativas: “o desespero é fácil de te visitar quando as expectativas são muito altas. Se você conseguir ser mais ou menos feliz, se você conseguir pagar os boletos [...] e conseguir alguém que ame você [...], razoavelmente você já está deixando uma coisa no mundo que pode ser bem rara”. E completa que desejar “engolir o mundo, é uma rota reta em direção ao desespero.

Todos as obras de Luiz Felipe Pondé citadas na Skeelo Talks, estão disponíveis no aplicativo Skeelo e no Skeelo Store.

Confira a entrevista completa: