Paulo Ratz, embaixador do Skeelo, fala sobre carreira, dicas para leitura e muito mais!

Paulo Ratz, embaixador do Skeelo, fala sobre carreira, dicas para leitura e muito mais!
Paulo Ratz é criador de conteúdo, influenciador e embaixador do Skeelo (Foto: Reprodução / Instagram @livrariaemcasa)
Paulo Ratz foi um dos mediadores do Skeelo Talks na Bienal do Livro de 2022 (Foto: Reprodução / Instagram @livrariaemcasa)

Paulo Ratz, um dos maiores e mais conhecidos influenciadores no meio literário, conquistou, atualmente, mais de 200 mil inscritos em seu canal do Youtube, o Livraria em Casa, e cerca de 100 mil seguidores acompanham a criação de conteúdo no perfil do Instagram. Sempre em busca de levar novidades para sua comunidade, Paulo também acaba de lançar o podcast do Livraria em Casa, com todos os episódios patrocinados pelo Skeelo, plataforma da qual é embaixador

Em entrevista para o Blog do Skeelo, Paulo Ratz disse ter a leitura como um hábito cultivado desde muito jovem. “O que é muito particular do livro é que é um exercício de imaginação muito legal, você constrói do jeito que você quer. Diferente de um filme ou uma série, que já tem tudo pronto e é dado para você. No livro, você constrói de acordo com a sua imaginação”, diz. No bate-papo, Ratz montou uma lista especial de livros na Skeelo Store. Para conferir, basta clicar aqui.

Carreira e vida na internet

Uma das perguntas que Paulo Ratz mais recebe de seu público é: pretende escrever um livro? Em resposta, o influenciador diz: “Eu queria muito. Toda vez que eu vou à Bienal me perguntam sobre isso. Mas não sei se vai rolar, então eu não gosto de criar expectativas”.

Paulo foi enfático e bem-humorado ao responder que, se pudesse escolher entre seguir uma carreira editorial ou ser um crítico, escolheria nenhum dos dois. “Não me vejo no lugar de crítico e sim num lugar de pessoa comum que fala sobre livros na internet”, diz.

Paulo Ratz teve um aumento muito grande de seguidores e de visualizações em seu canal. Ele atrela a pandemia de 2020 ao crescimento de seus vídeos. “Antes da pandemia eu tinha um número bom, mas não era nada incrível, eu conseguia fazer alguns trabalhos. Na pandemia, desde o primeiro vídeo, as visualizações já eram o dobro ou o triplo de antes, foi uma loucura”, conta.

Sobre as críticas, Paulo compartilha sua percepção de que aquelas que são construtivas costumam dar um frio na barriga, mas têm seu lado positivo. “É sempre bom lembrar que cada pessoa tem uma opinião totalmente diferente, então tem gente que gosta e que não gosta. Hoje em dia, eu tento ver menos críticas, mas também preciso ver e encontrar um termômetro”, explica.

Quando notou seus 100 mil seguidores no Instagram, Paulo Ratz conta que teve sentimentos misturados. “É um exercício de controle da ansiedade, principalmente para mim, porque sou muito ligado em números então fico vendo as estatísticas. É legal, mas também é um pouco assustador. É um controle que é legal ter, mas ao mesmo tempo preciso desfocar porque isso poda a minha criatividade”, desabafa. “Mas é incrível se sentir reconhecido, é muito recompensador.”

Embaixador do Skeelo e mediador do Skeelo Talks na Bienal do Livro

Paulo Ratz conta sobre seus trabalhos com o Skeelo anteriores ao seu título de embaixador e revela qual foi sua reação ao receber o convite para o cargo. “No início, fiquei com um pouco de medo, mas quando conversamos mais a fundo foi uma decisão muito acertada, principalmente para outras oportunidades, como estar presente na Bienal do Livro apresentando os painéis”, revela.

Ainda sobre a Bienal do Livro de 2022, Paulo também divide como foi a experiência de mediar o Skeelo Talks. “Eu já tinha feito algumas coisas pequenas entre booktubers em eventos que a gente mesmo organizava, mas nunca tinha sido tantos, em tão pouco tempo e com tanta gente legal. Algumas pessoas eu já conheço, outras eu estou conhecendo agora durante os painéis e entrevistando”, explica. “É um trabalho grande de pesquisa, eu passo bastante tempo pensando em cada painel, bastante tempo mesmo, talvez umas duas ou três horas pensando nos painéis do dia justamente porque eu gosto de pesquisar, de ler outras entrevistas da pessoa, não fazer perguntas tão redundantes e tão parecidas. Eu adorei, é uma descoberta de uma outra coisa que eu quero muito fazer mais.”

Dicas para iniciantes

Finalizando a entrevista, Paulo Ratz dá duas dicas, uma para quem está começando a ser influenciador no meio literário e uma para quem está começando a ler: “Para quem quer virar influenciador, a dica que eu sempre dou é: comece quando tiver uma boa bagagem. Claro que você pode começar a fazer conteúdo em plataformas mais rápidas e coisas menores, mas com o tempo você vai precisar trazer muitas referências, então quanto mais livros você ler, mais coisas e mais visões você tem para trazer”, garante. “Então o ideal seria você se dedicar bastante ao seu período de leitura, ganhar essa bagagem, ler várias coisas de vários estilos diferentes, entender o que é a sua identidade, o que você gosta mais de ler.”

Para quem está começando a ler, Paulo aconselha assistir a canais do Youtube ou criadores de conteúdo voltados para literatura e entender seu próprio gosto para livros. “Eu sempre falo que a coisa mais legal de todas é quando você termina um livro e te dá um gás pra você pegar o próximo. Quando você sente que é capaz de fazer isso, isso te dá impulso para ler o próximo. Comece com livros mais curtos. Se você for mais jovem, pegue os livros mais jovens, não tente mergulhar tão fundo em livros tão profundos, em livros tão densos, porque isso pode te atrapalhar a entrar em um ritmo de leitura. Aos poucos você vai subindo calmamente até você conseguir chegar num clássico, chegar num livro maior, chegar num livro mais pesado”, conclui.